PROJETO GAIA 2012 - 7
por Reinaldo Mariano de Brito - reisol777@yahoo.com.br


ANIMAIS E PLANTAS


Muitas pessoas consideram a comparação entre os seres humanos e os animais e plantas como um insulto à raça ou à dignidade humana. Esta reação é fruto da crença que a natureza dos seres humanos é completamente diferente da natureza dos animais e das plantas. Até mesmo os estudiosos da espiritualidade consideram os seres humanos muito superiores aos animais e plantas, em vários aspectos espirituais significativos.
No entanto, essa crença se origina de um grave mal entendido com relação à vida e está longe de ser verdadeira.
Pouco tempo atrás, foi cientificamente provado que não só os animais como a baleia, mas também as plantas têm faculdades cognitivas semelhantes às humanas. As pesquisas sobre o assunto ainda estão em seus primórdios, mas já existem provas convincentes de que as plantas, incluindo as árvores, se comunicam entre si por meio de ondas ou outros métodos.
Algumas plantas produzem substâncias venenosas para se defender quando estão diante do perigo e enviam sinais de alerta a outras plantas, espalhando no ambiente substâncias químicas. As plantas também apresentam uma interação constante com as pessoas. A maioria das pessoas que lidam com as plantas sabe que quanto mais carinho elas recebem mais robustas e verdes elas ficam e mais rápido elas crescem. Algumas arvores silvestres, arbustos e árvores não só ajudam a elevar a consciência humana por meio da energia de alta freqüência como também servem de canal para a recepção de mensagens do universo.

Levando isto em consideração, a classificação dos seres da Terra com base na aparência física é muito diferente da classificação com base na essência espiritual dos seres.
Um sistema classificatório mais apurado tomaria por base a freqüência vibratória dos seres. Seres com freqüências da primeira ou da segunda dimensão têm uma capacidade menor de armazenar informações. Eles são relativamente simples em termos de faculdades cognitivas e processos de raciocínio, por isso a sua cognição do mundo é limitada.

Dessa perspectiva, é natural que seres de freqüências mais elevadas tendam a nascer como seres humanos para ter experiências mais complexas. Por outro lado, seres de freqüências inferiores podem encarnar primeiro como pequenos animais ou plantas, para ter experiências mais simples, e posteriormente nascer como seres humanos, depois de passarem por experiências suficientes. Os seres da primeira dimensão não têm a possibilidade de nascer como seres humanos.
Como a Terra tem sido o lugar perfeito para se passar por experiências, ela até agora tem aceitado qualquer ser do universo, e o livre arbítrio de cada individuo tem sido absolutamente respeitado.
Quando a Terra foi materializada pela primeira vez, deu-se a todos os seres a chance de optar por nascer como ser humano, animal ou planta, dependendo dos pré-requisitos mínimos relacionados ao nível da freqüência. Essa chance foi oferecida de modo que cada ser tivesse experiências únicas, vivendo a forma de vida escolhida no mundo material, e pudesse assumir, se desejasse, uma forma diferente de vida na encarnação seguinte.

No entanto, à medida que o tempo passava, as regras de reencarnação para os seres humanos, animais e plantas mudaram. Como todos os seres as Terra materializada sofriam um lapso de memória, a aparência e as capacidades de cada um deles passaram a ser muito eram consideradas seres insignificantes e ignoradas. Embora o sistema cármico exigisse um comportamento responsável de todos os seres desde o inicio da materialização, os seres humanos passaram a tratar os animais e plantas de maneira cada vez mais desdenhosa.

Poe essa razão muitos seres que vieram à Terra queria reencarnar como seres humanos; em particular, seres violentos com tendências para a dominação.
À medida que as preferências dos seres foram mudando, o sistema de reencarnações também foi passando por alguns ajustes. No inicio da materialização, todo ser podia escolher encarnar ser humano, animal ou planta, de acordo com sua freqüência vibratória. Posteriormente, no entanto, a forma de vida que o ser assumiria na sua encarnação seguinte também passou a ser determinada pelos atos praticados previamente. Aqui o carma passou a ter um papel importante nas reencarnações e também como escolha da forma de vida.

Existem seres encarnados como animais ou plantas que têm uma freqüência vibratória mais elevada que a maioria dos seres humanos, e muitos seres encarnados como seres humanos agora têm uma freqüência inferior à de certos animais e plantas.
Regressões corretas podem confirmar esta informação.
Num nível mais essencial, a diferença básica entre as formas de vida é a sua capacidade de aprender. Como ser humano, mesmo com freqüência vibratória baixa, a pessoa tem mobilidade e a capacidade de passar por experiências no vasto mundo humano. Os animais e as plantas, no entanto, têm de se limitar a uma área restrita e as suas experiências se passam em circunstâncias que não podem controlar, pois a sua vontade ou intenções são irrelevantes.
As plantas em particular, que não têm nenhuma mobilidade, aprendem principalmente com a interação com a natureza e, por meio de uma espera aparentemente interminável, aprendem a ter paciência e tolerância.
É portanto necessário se encarnar como ser humano caso se queira expandir a sua consciência. Embora a maioria dos animais, incluindo os primatas, sejam seres individuais, os insetos e as plantas têm uma espécie de consciência coletiva. Isso significa que, ao contrário dos insetos e das plantas, o ser nascido no corpo de um animal vive uma existência individual.
No caso dos seres humanos, as pessoas com freqüências de terceira dimensão ou inferiores, na maioria das vezes percebem o mundo material de uma perspectiva estreita, pois são incapazes de perceber o mundo não material e o que existe além. Um número relativamente pequeno de pessoas com freqüências superiores percebe os dois mundos, e por isso, sentem-se insatisfeito com a realidade material.
Árvores antigas, baleias e tartarugas são normalmente seres de freqüências superiores. As pessoas começarão a ver o mundo de uma maneira diferente quando perceberem que todos os seres vivos da Terra são consciências, e que os seres humanos, em essência, não são necessariamente superiores a outras formas de vida.

EU SUPERIOR E O EU SUBORDINADO


Ao contrario do que aconteceu na criação da primeira consciência do universo, a casos em que a consciência individual produz uma duplicata dela mesma, dando origem a um novo eu. Para ser preciso, os seres originais das dimensões superiores às vezes criam duplicatas de si mesmos com a intenção de enviá-las para mundos de dimensões inferiores por determinadas razões. Nesses casos, o ser original, é chamado de Eu Superior e a duplicata, enviada para a Terra ou a outro lugar de dimensão inferior, é chamada de Eu Subordinado ou Eu Inferior.
Por exemplo, entre os seres que vieram à Terra como guias do Projeto Gaia, existem muitos casos em que o Eu Superior habita estrelas da quinta dimensão ou de dimensões mais elevadas. As consciências de dimensões superiores podem criar de três a seis duplicatas para realizar atividades em diferentes lugares ao mesmo tempo. Existem até casos em que dois ou mais Eus Subordinados foram enviados à Terra para viver vidas diferentes.
O Eu Superior e o Eu Subordinado são basicamente uma entidade só, e compartilham as mesmas lembranças. Embora o Eu Subordinado não tenha todas as lembranças do Eu Superior, ele tem o registro de todas as lembranças básicas em comum. Depois do processo de duplicação, o Eu Subordinado começa a acumular experiências que o Eu Superior não tem. Portanto, para manter a coesão da entidade, as novas informações acumuladas pelo Eu Subordinado são copiadas com regularidade e transferidas para o Eu Superior.

Para os Eus Subordinados que estão encarnados na Terra material, o relacionamento é um pouco diferente. Por causa do ambiente da Terra materializada, o ser localizado na crosta terrestre pode demonstrar uma maneira de pensar e de se comportar muito diferente da do Eu Superior. Essa diferença ocorre por muitas razões, entre elas a falta de conexão ou a comunicação direta entre os dois, o lapso de memória das existências passadas, os desejos físicos do corpo material, etc. Por estas razões, a maioria dos Eus Subordinados na Terra vive sem nenhum conhecimento da existência do Eu Superior em algum lugar do universo.
Normalmente o Eu Superior não se envolve diretamente na vida do Eu Subordinado, ele apenas observa. No entanto existem também casos de envolvimento para que o Eu Subordinado se conscientize se sua missão na Terra. A comunicação é normalmente por meio de sonhos ou mesmo de meditações.


FORMAS-PENSAMENTO


Além das consciências criadas diretamente pela consciência da origem, existem outros seres cientes de si mesmo e do mundo. Esses seres são “formas-pensamento” criadas pela mente humana. A compreensão do que significam formas-pensamentos e do como elas são criadas ou desaparecem aumentará a compreensão do processo de purificação durante a Grande Mudança da Terra e também da história dos seres humanos terrenos.
Os seres humanos têm a capacidade de controlar a energia do universo com a força da mente. Visualizações mentais resultam em criações imediatas no mundo energético da quarta dimensão. Criações da imaginação ou preces realizadas com concentração profunda e contínua criam um corpo energético cheio de vida. As formas-pensamento são criadas por meio desse processo.
Especialmente quando um grande número de pessoas faz uma prece com a mesma intenção, a forma-pensamento criada atua como um poderoso corpo energético e influencia profundamente as pessoas que têm pensamentos semelhantes àqueles que criaram a forma-pensamento.
As formas-pensamento podem influenciar ou até mesmo dominar os pensamentos das pessoas, provocando pensamentos e comportamentos absolutamente inesperados nos seres humanos. As pessoas estão cientes das suas fraquezas a muito tempo, e contam com a existência de um poder superior quando anseiam por abundância na vida. Esses desejos e comportamentos criaram vários corpos energéticos sem que essas pessoas se dessem conta disso. Os grupos religiosos ou espiritualistas, particularmente, cujos membros acreditam no mesmo ser absoluto, criaram formas-pensamento poderosas com suas preces e os seus cânticos coletivos.

As formas-pensamento criadas dessa maneira muitas vezes afetam as pessoas com certos sistemas de crenças e os participantes de certas reuniões e rituais. Bloqueando a capacidade de julgamento individual, as formas-pensamento fazem com que os pensamentos das pessoas sigam numa determinada direção. Em alguns casos, elas até induzem uma espécie de estado hipnótico.
Existem muitos casos em que as formas-pensamento controlaram com astúcia a consciência das pessoas, engendrando experiências espirituais ou a aparição de seres especiais em sonhos.
Quando alguém afirma ter visto Jesus, Buda, a Virgem Maria em sonhos ou durante a meditação, existe uma forte possibilidade de que as formas-pensamento estejam lhe pregando uma peça.
As formas-pensamento criadas por certos grupos podem ajudá-los a atingir os seus objetivos ou favorecer a sua causa, dominando e controlando as mentes de seus seguidores. Se um membro de um grupo é dedicado a ele, as formas-pensamento podem ajudá-lo tanto material como moralmente ou ainda a desenvolver uma capacidade especial, como o poder de ler a mente de outras pessoas.
Por outro lado, se a pessoa duvida do grupo ou decide deixá-lo, as formas-pensamento podem perturbar a pessoa, causando-lhe vários tipos de padecimento mental e físico, que a levam a recorrer novamente ao grupo.

Como o combustível das formas-pensamento é a energia mental, elas acabam ficando mais fracas ou chegam até mesmo a se extinguir, caso poucas pessoas simpatizem com elas. Depois que as formas-pensamentos são criadas, elas continuam a interferir na consciência humana, provocando medo e desconforto, para impedir que o crescimento da consciência das pessoas diminua a dependência delas e enfraqueça, consequentemente, o domínio que elas têm sobre o mundo humano.
Embora haja algumas formas-pensamento muito poderosas, por representarem o desejo de muitas pessoas, elas são muito diferentes dos seres humanos, animais e plantas em termos de propósito de formação e processo de crescimento. Em geral, a consciência é um ser criado por um dos seres originais do universo e capaz de desenvolver com suas experiências únicas depois da criação; a existência do ser nunca depende do mundo exterior. As formas-pensamento, por outro lado, são corpos energéticos criados pelas mentes humanas e ativados com propósitos específicos. Portanto, elas nunca passam pelo processo de desenvolvimento da consciência ou por nada parecido, e desaparecerão quando deixarem de ser alimentadas pela mente humana.

Continua.....

Pesquisa no Livro Projeto GAIA 2012
Hwee-Yong Jang

Muita proteção e luz a todos!!!

Grande abraço,
EU SOU O EU SOU
Namastê
05/06/09
SOL777

1